SAMPAIO CORRÊA

Andrey – 5,5. Espectador durante maior parte do tempo, quando exigido foi bem. Sempre muito bem nas saídas para cortar levantamentos. Resolveu complicar no final, se embolando com o atacante advesário e soltando a bola, sendo salvo pelo juiz. Logo após, foi buscar uma bola que ia fora e a pôs perigosamente em jogo. Mas segue com muito crédito.

Junio Rocha – 7. Mais preso que seu companheiro na paralela, teve firmeza nos desarme e, quando teve mais espaço, arriscou bem. Bom cruzamento para o quarto gol.

Joécio – 6,5. Tranquilidade absoluta. Em grande parte por conta da fragilidade do setor ofensivo pernambucano. Mas fez seu papel com correção.

Maracás – 6,5. Tal qual Joécio, dominou os adversários e arriscou algumas saídas com a bola no pé.

Kayke – 6,5. Teve o esquema lhe favorecendo e aproveitou. Boas subidas, uma finalização razoavelmente perigosa. Faltou mais capricho nos cruzamentos.

César Sampai0 – 6. Sentiu lesão cedo. Tentou se manter em campo, mas saiu ainda antes do intervalo. a nota é devida pela cobrança da falta que originou o gol. Um petardo.

Yuri – 6. Destacado para a marcação mais direta ao meia mais criativo do Salgueiro, cumpriu com louvor o papel.

Fernando Sobral – 7,5. Boa movimentação pela esquerda, auxiliando Kayke tanto atrás quanto na frente. Seu porte físico garante vantagem na maioria das disputas. Excelente assistência para Uilliam.

Marlon – 8. Nova grande partida. Impressionante sua aplicação em prol do time, como de costume.  Muitas vezes foi um dos jogadores mais recuados da equipe. Ofensivamente foi ainda melhor, cobrando a falta do segundo gol e aplicou um corta-luz de manual para o gol de Fumaça. Saiu no fim para receber a merecida ovação.

Reginaldo Junior – 6,5.  Fez o gol que abriu o placar logo aos 2 minutos. Se o time ficou tranquilo com a vantagem, o camisa 11 ficou leve, sempre disposto a puxar contra ataques, presença constante na área adversária.

Uilliam – 6.  Testou o coração do torcedor ao desperdiçar grande oportunidade de ampliar o placar no primeiro tempo. Na segunda chance que teve, foi bem: deu carrinho e finalizou pras redes grande jogada de Sobral. Na terceira, muito semelhante à primeira errou de novo.

Reservas:

Silva – 6,5. Seguiu desempenhando a função de segundo volante como era programada para César Sampaio.

Rodrigo Fumaça – 6. Teve uma chance logo que entrou, mas finalizou por cima. Depois se embolou sozinho num bom contra ataque. Afobado, tentou ajudar também na defesa. Mereceu o gol “xô urucubaca”.

Marcelinho – sem nota. Entrou aos 37 do segundo tempo mais pra que Marlon fosse aplaudido que qualquer outra coisa.

Técnico Francisco Diá – 8. Tá certo que o gol logo no início do jogo facilitou muito o trabalho da sua equipe, mas é louvável demais a consciência e disciplina tática do time como um todo.

 

Deixe uma resposta