Alex Alves – 4. Saiu hesitante no gol do Fortaleza. Como chefe do setor defensivo, não pode, teoricamente, estar sujeito a trombadas com companheiros de zaga. Nos demais lances da partida esteve bem.

Pedro – 4,5. Tímido na frente, alguns erros de posicionamento atrás.

Odair – 8. Um leão, sem trocadilho, na marcação e no posicionamento.

Maracás – 7. O gol da virada compensou algumas falhas defensivas.

Esquerdinha – 4. Mal, tanto atrás quanto na frente. Provavelmente não estava recuperado da lesão que o tirou do jogo de ida.

Diego Silva – 6,5. Grande participação no jogo. Buscava bola atrás e tentava aparecer na frente. Teve seu futebol prejudicado pela bagunça ofensiva do Sampaio, especialmente no primeiro tempo.

Valderrama – 6. Buscou dar qualidade na saída de bola mas não foi exitoso nessa empreitada. Raça de sempre no combate.

Hiltinho – 5. Correria por vários setores ofensivos, sem qualquer produtividade. Substituído no intervalo.

Marlon – 6. Mal no primeiro tempo, melhorou no segundo e foi muito bem na cobrança da penalidade que originou o empate.

Uillian – 4. Perdido.

Reginaldo Junior – 4. Até tentou produzir, se doou. Mas exagerou nos recuos para buscar bola e tornou o setor ofensivo ainda mais desordenado.

Reservas:

Isaac – 6,5. Iniciou a partida no banco por não ter se recuperado de lesão. Não precisou de 5 minutos para mostrar que com ele no comando de ataque o time é outro.

Felipe Marques – 5. Conseguiu justificar sua barração com a pouca produtividade nos minutos que esteve em campo.

Wellington Rato – 7,5. Do momento em que entrou pra frente, só deu ele. Chamou pra si a responsabilidade, cavou pênalti do empate e bateu escanteio da virada.

Técnico Francisco Diá – 4. Teve brilhantes leituras de jogo até a classificação pra Série B, diante do Volta Redonda. Equivocou-se nas duas estratégias montadas para os jogos contra o Fortaleza e viu seu time ser eliminado para um adversário tecnicamente menos qualificado.