Após consultarmos três linguistas, um matemático, dois gurus e um físico quântico, conseguimos interpretar o plano-base para a Copa do Brasil de 2017

Como o título já diz, a experiência deste regulamento conseguiu que um mesmo torneio apresentasse três regras distintas para as oito fases a serem disputadas, com direito a inclusão de 11 times apenas nas oitavas de final.

Basicamente o regulamento da Copa do Brasil prevê que os 80 times iniciam a disputa se enfrentem até que restem 5:

80 > 40 > 20 > 10 > 5

A partir de então estes clubes se juntariam aos oito representantes canarinhos na Libertadores 2017, além do Campeão da Copa do Nordeste, Campeão da Copa Norte e Campeão da Série B, todos do ano anterior, no caso 2016.

Neste momento, se verifica a tentativa da manda-chuva do futebol tupiniquim de compensar o desprestígio dos regionais, que não levarão seus campeões à Sulamericana como previsto anteriormente. Vale destacar que esta desvalorização da “Lampions” não se limitou às “vagas”, o que certamente é tema para ser abordado em outro post.

O que mais chama a atenção é o regulamento das duas primeiras fases, com o advento do jogo único, com possibilidade de disputa de pênaltis para definir o classificado. Enquanto na primeira fase a equipe de pior ranking sediará o duelo, na segunda fase esta definição se dará através de sorteio.

Na terceira e quarta fase volta a ser aplicado o regulamento já conhecido. Jogos em ida e volta, com gols qualificados quando anotados fora de casa. Finalmente chegamos aos cinco sobreviventes. Na quinta fase, com os 11 privilegiados, seguem os jogos duas pernas, com gol qualificado, que só não persiste na final.

5+11> 8 > 4 > 2 > CAMPEÃO

Importante ressaltar que com as duas primeiras fases sendo realizadas em jogos únicos, aumentam as possibilidades de “surpresas” avançarem na competição, o que aumentará a dramaticidade dos duelos nacionais já no início do ano e, nesse ponto específico, aprovamos!